Otimizando Seus Estudos na Guitarra

Otimizando Seus Estudos de Guitarra

O Guitarrista

Querido amigo guitarrista, com certeza você também já ouviu: “Esse aí só faz barulho, não sabe ler partitura, chega atrasado, nunca tira as músicas, etc… “

Porque nós, tão inteligentes, habilidosos, lindos e “performers” com nossas guitas, temos essa fama? Vamos mudar isso agora? 

Mas calma!

Eu não vou (e nem pretendo), passar um roteiro de estudos detalhado e te frustrar dizendo que você precisa passar 4 horas por dia com seu instrumento nas mãos. Primeiro porque a vida corrida e multitask que levamos atualmente muitas vezes não nos permite dispender todo esse tempo para atividades extras. E segundo porque… bom, porque você é guitarrista hehe!

Estudando até os ossos doerem

Existe uma concepção difundida na música , de que o estudo de um instrumento requer horas e horas de concentração e dedicação, até as articulações doerem e os dedos sangrarem a la whiplash. Essa ideia “romântica” do aluno devoto, que não se relaciona com o mundo, praticamente vive num casulo e estuda 10 horas diárias está erroneamente associada ao sucesso, e já vou explicar o porque, te contando um pouco da minha própria experiência de 17 anos com a guitarra!

Ah, antes de prosseguir, não preciso dizer o óbvio, é CLARO que quanto mais tempo você passa com seu instrumento em mãos, mais rápido e eficiente será seu progresso. Mas você não precisa estudar até seus dedos descamarem!

Era uma vez um adolescente no seu quarto

Quando comecei a fazer aulas de guitarra com apenas 12 anos, meu professor, um excelente músico com quase 30 anos de bagagem e experiência não exitou em me “alfabetizar” na música, me ensinando conceitos que faziam pouco ou quase nenhum sentido pra mim naquela época, muitas vezes me fazendo tocar canções de jazz que eu pouco conhecia e, sinceramente, pouco me interessava!

O que acontecia então? Quando eu chegava em casa, corria pro meu quarto e o tempo que eu tinha livre, passava tirando as músicas que eu realmente queria tocar, Iron Maiden, Blink 182, Bad Religion, Metallica, e muitas outras bandas de Punk Rock e Metal que me faziam vibrar, me revoltar contra nada e querer andar de skate, ou seja, ser só mais um adolescente.

Focando sua atenção! 

Nessa época comecei a perceber uma característica minha que por anos enxerguei como se fosse um problema: Eu simplesmente não conseguia manter minha atenção focada por mais de 15 ou 20 minutos. Muitas vezes me forçava a tirar músicas, ou divagava por horas tocando outras coisas na guitarra que não faziam parte do conteúdo ensinado em aula.

Comecei então depois de vários anos a aceitar e compreender meu modus operandi de aprendizado e progresso pessoal, percebendo que sim, era totalmente possível evoluir em meu instrumento respeitando o tempo e o foco da minha atenção!

Observei que se eu otimizasse meu estudo em apenas 30 minutos, eu poderia obter um resultado plenamente satisfatório. Passei então a focar minha atenção por pequenos períodos de 5 minutos, estudava as escalas e arpejos que eu precisava, depois mais 5 minutos estudando sobre campo harmônico ou intervalos, então mais 5 minutos lendo pelo menos uma linha da partitura que meu professor tinha passado.

Estudar assistindo Youtube???

Ao longo dos anos, descobri que a melhor forma pra mim de fato não era passar 3 horas me desgastando e esgotando mentalmente para melhorar na guitarra. Incorporei isso de tal forma que hoje estudo exercícios de repetição (técnica) até enquanto assisto vídeos na internet, converso com alguém ou me distraio de outras formas. Meu ponto aqui é que qualquer tempo com seu instrumento na mão é bem gasto, mesmo que você esteja apenas repetindo coisas já fixadas, brincando, passeando pelo braço do instrumento, enquanto divide sua atenção com outras “informações”. 

É claro, existem estudos que devem ser totalmente focados, casos em que sua atenção não pode estar dividida com absolutamente mais nada, por exemplo, os estudos de repertório, ou a fixação e compreensão de escalas e arpejos exigem atenção full, porém lembre-se, você não precisa passar horas e horas seguidas por dia para fixar tais conteúdos.

Multitask

Cresci numa realidade multitarefa, desde pequeno dividi minha atenção com TV, Internet, celular, brinquedos, etc. Essa é uma realidade que veio pra ficar, novos tempos, grande fluxo de informações, mas se acalme, isso não é de todo ruim. Descobri que é legal ser multitask e incorporei isso de forma saudável em minha rotina de estudo de música.

Hoje, estudo 10 minutos focado, paro, assisto uma entrevista com algum músico que gosto, pauso o vídeo e volto pro estudo, perco mais 5 minutos, volto pro vídeo de onde parei, assisto 5 minutos, paro pra tomar uma água, responder whatsapp. Entendi que não existe problema nenhum nisso e é absolutamente possível evoluir com eficiência em seu instrumento estudando por curtos períodos!

Lembre-se, frequência é mais importante que intensidade, e que qualquer tempo é melhor que NENHUM!!


Autor: Vitor Pavan @vitorfpavan


Como Estudar Música?

Como Estudar Música

Como Estudar Música?

1 CRIE PLAYLISTS

Uma com as músicas que você já toca e outra com as músicas que está aprendendo. Assim você evita esquecer as músicas que já se esforçou para aprender e têm sempre à mão as músicas que está aprendendo.

2 TENHA FÁCIL ACESSO À SEU INSTRUMENTO

Tem dias que não estamos tão animados para estudar. Ter que tirar o instrumento do estojo, procurar cabos, regular altura da estante… isso tudo pode ser bem desmotivador. Deixe tudo pronto pra afastar a preguiça!

3 TODO DIA UM POUCO

Aprender músicas é como malhar. Passar horas na academia e depois ficar dias sem voltar não vai adiantar.

Mesmo em dias corridos, pratique um pouco.

4 CONECTE-SE E ENCONTRE SUA TURMA

Existe pessoas com gostos muito parecidos com os seus e talvez passando por dificuldade similares às suas. Encontrar online comunidades para trocar conhecimento é divertido e te ajudará a evoluir.

5 DETERMINE E ESCREVA SEUS OBJETIVOS

Tenha claro o que pretende (tirar uma música difícil, tocar ao vivo, gravar uma música, tocar para um familiar etc), escreva em um post-it e cole num lugar que vc possa ver sempre. É preciso ter essa clareza para quando a se sentir perdido possa retomar o caminho.

Bons estudos!

Você gostaria de aprender bateria, mas acha que é impossível sem bateria? Confira essas opções.

Aula de Violão Acordes

aula de violão acordes

Aula de Violão Acordes

Tocar violão é o sonho de muitas pessoas. As características sonoras do instrumento são comuns em canções por todo o mundo e há muito tempo.

Alguns outros instrumentos parecem estar mais sujeitos às tendências musicais e seus fãs aumentam e diminuem sazonalmente. No entanto o violão parece ser imune ao tempo e segue firme sendo xodó de eruditos, roqueiros, sertanejos e muitos outros.

Alguns instrumentos, como o saxofone por exemplo, são categorizados como instrumentos melódicos. Com um saxofone é possível tocar notas consecutivamente e não simultaneamente, assim como o saxofone, o violão também oferece a possibilidade de se executar melodias.

Mas no violão assim como no piano também é possível tocar harmonias.

E como é constituída uma harmonia? Com acordes.

Acordes são junções de notas que tocadas simultaneamente projetam um som mais “cheio”. Somando a isso variações de ritmos, temos uma infinita gama de possibilidades musicais.

Em outras palavras o formato do acorde pode ser um C (Dó Maior) mas a maneira como é tocado o ritmo pode transformar o estilo musical em Reggae, Pop ou MPB.

É comum ouvirmos o termo “acompanhamento”. O acompanhamento é uma harmonia que está servindo de base para uma melodia.

Além dessas possibilidades melódicas, rítmicas e harmônicas o violão oferece outras facilidades. É um instrumento relativamente fácil de ser transportado além de apresentar modelos e marcas para todos os bolsos.

Como aprender violão?

Hoje em dia muito conteúdo está espalhado na Web. Diversos vídeos no Youtube com aulas de violão podem ajudar você a dar seus primeiros passos.

As pessoas aprendem de diferentes formas, ao mesmo tempo que algumas são muito organizadas e disciplinadas outras tem um melhor desenvolvimento quando alguém as instrui passo a passo, corrigindo detalhes e oferecendo caminhos alternativos em um momento de dificuldade.

Em uma aula de violão presencial junto ao professor, um bom profissional estará qualificado para lhe orientar sobre questões fundamentais que podem fazer toda a diferença. Indo desde postura corporal, afinação, regulagem do instrumento, seus primeiros acordes até dedilhados complexos.

Não basta apenas saber fazer embaixadinhas, é preciso ir pro jogo.

Depois de se preparar, tocar com outras pessoas é certamente o quê mais o fará evoluir. No começo é normal tremer na base mas com o passar do tempo o medo vai diminuindo e o prazer de fazer música vai acabar dominando você também.

Esperamos ter ilustrado um pouco a jornada do novo estudante de violão.

Na Usina Música além das aulas individuais nas quais o professor vai trabalhar suas dificuldades específicas de acordo com o repertório que você gosta, você também ganha aulas em grupo para poder tocar com outros alunos.

Assim juntamos o melhor dos dois mundos: ensino personalizado e experiência praticando música.

Cuidados com Violão, Guitarra e Baixo

cuidados com instrumentos

Cuidados com Violão, Guitarra e Baixo

Troque as cordas com frequência

As cordas tem um vida útil e é necessário ficar atento para que você não tenha surpresas, principalmente se você toca com frequência, seja ao vivo, em ensaios com os amigos ou estudando no seu quarto.

Com o tempo a corda “enfraquece” e o risco de arrebentar aumenta, fora o brilho que é cada vez menor mudando um pouco o timbre do instrumento.

Uma dica é ferver as cordas, isso mesmo, coloque as cordas em uma panela velha com agua até perto da boca e deixe ferver. A agua ficará escura e bem nojenta mas vale a pena porque sua corda recuperará um pouco do brilho e durará um pouco mais. Esse processo pode ser feito apenas uma vez, se for repetido muitas vezes a corda irá quebrar com certeza.

Limpe seu instrumento

Sempre que tocar e de preferência quando trocar as cordas do seu instrumento faça uma limpeza. Para fazer isso você usará uma flanela com apenas um pingo de limpador multiuso (bem pouco mesmo), passe por todo o corpo e atrás do braço, não passe na escala. Caso tenha alguma experiência ou confiança com seu instrumento e para um resultado melhor você poderá desmontar a ponte (no caso de guitarra e baixo). Se as tarraxas tiverem ferrugem coloque de molho em um copo plástico com lubrificante líquido por cerca de um dia, retire e limpe com flanela ou estopa, a ferrugem saíra com facilidade. Ajuda muito limpar as cordas sempre que tocar, mantenha uma flanela em sua bag.

Mantenha seu instrumento regulado

A regulagem do instrumento é tão importante quanto a afinação, aliás sem uma regulagem adequada seu instrumento não afinará corretamente.

Um teste simples para saber se a regulagem está em dia é conferir as oitavas. Para fazer isso pegue um afinador, afine seu instrumento e após todas as cordas estarem prontas toque a décima segunda casa de seu instrumento, como é a oitava, deverá afinar exatamente com as notas das cordas soltas. Se não estiver batendo você precisará de um luthier para regular.

Cuidado com o local

As vezes nos descuidamos e colocamos nosso instrumento em lugares que a longo prazo podem estraga-lo.

Se você costuma deixar seu violão/guitarra/baixo em cima do guarda roupa (com algo por cima principalmente), encostado o dia todo em uma parede sendo que o único apoio é o braço do instrumento ou exposto ao ar livre, você está correndo o risco que seu instrumento fique com o braço “empenado” ou com o corpo deformado no caso de violões.

Procure sempre guardar seu instrumento em lugares em que ele possa, de preferência, ficar em um suporte apropriado e se ainda puder ficar de fácil acesso você sempre terá disposição para estudar já que não terá o trabalho de pegar em cima do guarda-roupa ou dentro do armário.

Seguindo os passos acima você sempre terá um instrumento conservado e pronto para tocar.

5 Músicas Que São Uma Aula de Baixo

tecnicas de baixo

5 Musicas Que São Uma Aula de Baixo

Você acha que não está escutando o baixo. Mas experimente cortar o grave usando o equalizador do seu iPhone ou do som do seu carro e você vai começar a entender a diferença que ele faz.

O baixo elétrico tem responsabilidade de peso em muitas músicas. É o instrumento que faz a ponte entre a rítmica e a harmonia, com certeza sem ele muitas músicas não teriam tanto impacto. Algumas linhas de baixo não tem tanto destaque e fazem parte de um “todo”, mas, quando valorizadas na mixagem ou no arranjo são a “cara” da música.

Abaixo selecionamos alguns exemplos de música com baixo bem marcante, para você apreciar e aprender a identificar os graves.

1 – Queen – Another One Bites the Dust

Essa marcante música foi composta pelo baixista John Deacon e lançada no disco The Game do Queen (1980). Uma curiosidade é que essa música foi usada em treinamento de reanimação cardiopulmonar (RCP) por médicos, as batidas estão em 104 (BPM) e o recomendado pela British Heart Foundation é de 100-120 compressões peitorais.

2 – Red Hot Chili Peppers – Dark Necessities

O famoso baixista Flea com sua excelente técnica de slap arrebenta nessa faixa do novo álbum The Gateway (2016) deixando a música dançante e envolvente. A banda tem uma relação antiga com o skate e nesse clipe foram convidadas skatistas mulheres profissionais já que antigamente haviam poucas mulheres no esporte.

3 – Pink Floyd – Another Brick In The Wall

O Pink Floyd tem vários sucessos lançados. Quem nunca viu o clipe em que crianças eram “trituradas” em um moedor gigante de carne?!. O baixista Roger Waters compôs a música e o a linha de baixo que foi sucesso com o álbum The Wall (1979), inclusive as outras partes, sim, essa música é dividida em 03 partes.

4 – Michael Jackson – Billie Jean

Lançada no fantástico álbum Thriller (1982) com o baixo gravado por Louis Johnson, o que não faltam são boatos e contos sobre a composição, gravação e até sobre o nome da música. De cara o famoso produtor Quincy Jones não gostou da linha de baixo e nem da introdução colocando em cheque a inclusão da faixa no álbum, mas Michael ganhou a disputa e o resto é história.

5 – Talking Heads – Psycho Killer

Esse baixo forte e marcado da música Psycho Killer foi composto por Tina Weymouth, baixista da banda na época. A música lançada em 1977 é famosa em reportórios de bandas que tocam em festas e bares pelo mundo, quem nunca cantou o Fa Fa Fa Fa…?!

https://www.youtube.com/watch?v=O52jAYa4Pm8://

FICOU COM VONTADE DE APRENDER A TOCAR BAIXO?

10 Dicas para Tirar a Música do Seu Quarto

10 dicas para tirar a música do seu quarto

10 Dicas para Tirar a Música do Seu Quarto

Aceite-se

Muitos músicos com trabalho relevante não frequentaram universidade de música ou estudaram com grandes mestres. Nesse campo não existe regra. A sua história e as músicas que você ouviu e ouve são suas referências, seja honesto e use-as sem medo.

Tenha METAS

Um Albúm completo? Shows? Um clipe? Música para Filme?

Viver nesta era da conectividade é Maravilhoso! Suas músicas podem estar no mesmo lugar que as músicas de seu artista predileto.

Pense, na era das super-gravadoras, qual a chance de fazer parte de uma EMI por exemplo?

Hoje o seu álbum e o do Pavarotti podem estar no mesmo lugar.

Cauda Longa

Existe consumidor para tudo. Tudo. Se você não conhece essa teoria…

Produza

O que faz a diferença é produzir. Mas até o fim. Se começou algo que não gosta, descarte logo sem apego.

Se deu continuidade, termine.

Apresente-se

Se você não acha lugar para tocar, é só pesquisar mais.

É preciso começar de algum lugar. Deixe as grandes expectativas e aproveite o que a vida te oferece.

Inclusive aqui na Usina Música temos espaços para artistas se apresentarem. Nós gravamos áudio e vídeo e não cobramos nem um centavo do artista. Veja o resultado:

 

Muito velho ou velha

hhahah Não entra nessa, sério. Se você estiver vivo, dá tempo!

Assim como a famosa Tomie Ohtake muita gente começou depois dos 30, 40, 50.

Use Plugins, Samplers

Experimente o Ableton gratuito por alguns dias Click aqui

Siga Pessoas que te Inspiram, mas cuidado!

Cair na besteira de ficar deprimido ao ver pessoas se dando bem no Instagram é fácil. Não entre nessa.

Busque suas inspirações e referências em MODO ALERTA. Escolha um período do dia, ou ainda melhor uma hora exata. Certifique-se de dar um prazo. 20, 30 minutos para navegar. Observe seus sentimentos e não se permita diminuir-se ou achar que sua vida é pior. Use as redes sociais como ferramentas para o seu crescimento.

Grave todas ideias

Ideia na cabeça, celular na mão. Grave mesmo que ideias bestas e simples.

Não descarte nada. É essa imaginação, liberada aos poucos, que será sua fonte de recursos.

Na hora de sentar para produzir você poderá ouvir e selecionar o que usar.

Para gravar você vai precisar de umas coisas…

Não espere estar perfeito.

O som da bateria não ficará como o do U2. A sua voz não será como a da Rihanna. Aceite o trabalho final realizado no deadline proposto, publique ou se apresente e siga em frente.

O primeiro, segundo e terceiro albúns não vão ficar incríveis? Talvez não. Os Beatles foram rejeitados por algumas gravadoras. Escultores, escritores hoje de renome foram vaiados em público. Meu amigo, se o Gilberto Gil saiu do palco ao não ser aceito pela plateia… por favor, não leve-se tão a sério. Poste seu trabalho e siga para o próximo. Ficará cada vez melhor.

Entrevista do Gilberto Gil, em entrevista após vaia

Olha só, abaixo a gravação de uma composição minha… Juntei uns amigos, marquei uma data e pronto. Quem sabe um dia gravamos esse som com uns 60 músicos em uma sala de concerto = ) Mas por enquanto aí está. No mundo, para o Mundo!

Finalizo com uma frase do grande filósofo brasileiro, Mario Sergio Cortella, que diz algo mais ou menos assim: “Faça o teu melhor, na condição que você tem, enquanto você não tem condições melhores, para fazer melhor ainda!”

 

Gostou e quer mais?

Dicas para compor:

Como Tirar Músicas de Ouvido

como tirar musicas de ouvido

Tirar uma música de ouvido é uma prática entre músicos amadores e profissionais que consiste em conseguir tocar a música sem fazer uso de partitura ou qualquer outro tipo de notação musical.

Na aula de canto popular, além de aprender as técnicas vocais para uma boa sonoridade o aluno aprende de maneira natural a tirar a música de ouvido.

Instrumentistas que gostam de jazz, rock, blues, entre outros estilos musicais, também usam essa prática. Já na música erudita, os músicos utilizam a notação musical como base de seu estudo.

Tirar música de ouvido não é uma pratica simples. Mas aqui estão algumas dicas que iram te ajudar nessa missão.

1- Escolha músicas que você já ouviu muitas vezes.

Quanto mais familiarizado(a) com a música você estiver, mais fácil será conseguir reproduzir o som que você está ouvindo.

2- Comece identificando o movimento das notas.

Após descobrir a primeira nota da música, você precisa entender se a próxima é mais aguda (movimento ascendente) ou mais grave (movimento descendente).

3- Procure músicas que utilizam graus conjuntos

Uma música com graus conjuntos (do – ré – mi – fá) será mais simples do que músicas que utilizam saltos (do – sol – si – ré)

OBS: Tirar músicas de ouvido é como aprender uma língua. Se você não conhece alguma palavra não vai conseguir reproduzi-la, ou se conseguir não entenderá o que está falando. Portanto a partir de agora seguem algumas dicas de conteúdos para melhorar seu vocabulário musical e por consequência ajudar a tirar suas músicas prediletas de ouvido.

4- Estude escalas

As melodias (partes cantadas da música ou solos de algum instrumento) são feitas a partir de uma sequencia de notas que chamamos de escala.

Existem diversas escalas e se você consegue identificar qual delas está sendo utilizada, você passa a ter 7 ou até mesmo 5 opções de notas, ao invés de 12 (quantidade de notas musicais), o que torna sua busca por aquela nota específica mais fácil.

5- Pratique ouvir a nota mais grave do acorde

A nota mais grave do acorde normalmente é tocada pelo contrabaixo. Depois de identifica-la como fundamental de um acorde, resta saber a qualidade do acorde, ou seja, se ele é maior ou menor.

6- Entenda sobre campo harmônico

O campo harmônico é uma sequência de 7 acordes formada a partir da tonalidade da música.

Convenhamos que é muito mais fácil encontrar um acorde entre 7 do que um entre 60 que é a quantidade de acordes maiores, menores, diminutos, meio diminutos e aumentados (isso sem contar as tensões como sétimas, nonas etc). Portanto aprenda os campos harmônicos maiores e menores e seja feliz. RS.

Para Que Serve a Aula de Canto

como cantar melhor

Para Que Serve a Aula de Canto

Se além de melhorar sua voz, se divertir, cantar afinado, sentir a admiração das pessoas e alegrar seus dias você precisa de mais motivos para fazer aulas de canto… Então vamos lá!

Fortalece o sistema imunológico

Uma pesquisa (Universidade de Frankfurt) descobriu um aumento de proteínas que funcionam como antibióticos depois de cantores passarem um tempo ensaiando.

fonte

Cantar é uma atividade física

Das boas!

Os exercícios de respiração fortalecem o diafragma e estimulam a circulação sanguínea.

Isso deve-se ao fato da grande quantidade de oxigênio consumida durante a prática vocal.

Melhora seu sono

Ao fortalecer os músculos da garganta e palato a melhoria do sono será perceptível.

É o que conta esse artigo

Autoestima

Medo de palco é mais comum do que você pensa!

Mas ao enfrentar gradualmente o palco com auxilio de profissionais você se sentirá cada vez mais seguro. A sensação de recompensa e os elogios de amigos e familiares após pequenas apresentações também serão um estímulo que te ajudarão muito na vida social.

Postura saudável

As técnicas do canto exigem uma correção postural. O alinhamento da coluna e cabeça serão fundamentais para a projeção sonora. Quando essa postura tornar-se um habito, até sua forma de andar irá mudar para melhor.

Sensibilidade e percepção

Música é arte. Ao desenvolver sua percepção auditiva e artística outros sentidos também serão estimulados. É comum que até músicas que você ouve a anos passem a ser entendidas de forma diferente.

E aí quer descobrir um mundo novo?

Como Melhorar Composições

como compor melhor

Como Melhorar Composições

A frequência de criação melhora a performance! Por isso é ótimo manter-se constantemente criando. Isso não quer dizer que você tenha que escrever uma sinfonia a cada semana.

Agora, se você ainda não tem clientes, não foi convidado para desenvolver uma trilha ou um jingle, como começar?

Composições curtas são uma ótima opção! Melhor ainda se ela for para o ar, ou seja, esteja online para outras pessoas.

Se você não sabe por onde começar, aqui vão duas ideias que podem te ajudar.

1. Vinheta para vídeos de Youtube

Se você não tiver um canal no Youtube, certamente conhece alguém que tenha. Uma parceria vai bem, você pode criar uma trilha curta para a abertura dos vídeos do seu amigo. Não esqueça de pedir para inserir seus créditos no final do vídeo.

2. Vídeos empresariais

Hoje em dia microempreendedores de todo o mundo são quase obrigados a produzir vídeos. Podem ser vídeos institucionais, vídeos de produtos, de processos ou de treinamento.

Se você não conhece alguém que tenha uma microempresa para perguntar se pode participar de forma colaborativa da trilha, experimente perguntar no Facebook se alguém precisa.

Na maioria das vezes ao fazer estes tipos de vídeos são buscadas trilhas brancas. Estas são músicas sem direitos autorais, você encontra uma imensidão deste tipo de trilha gratuitamente na internet. Mas, usar trilhas brancas é como usar banco de imagens. Quem está assistindo percebe que não é original. Aquela não é a imagem da empresa. Aquela música não faz parte daquele vídeo. E é aí que você entra!

Processo de composição na Usina Música

Se sua curiosidade foi instigada, agora vou contar um case particular: Como na prática desenvolvemos o assunto de composição na Usina Música.

É muito comum que músicos gostem de criar, compor e gravar.

Desde o início das atividades da Usina em 2003, sempre tentei conciliar as atividades da empresa entre: cursos de música, eventos e gravação.

No início gravávamos bandas e muito raramente compúnhamos uma trilha musical para algum evento.

Com o passar do tempo foram chegando clientes e mais clientes com projetos maiores. Apesar de os processos sofrerem muitas alterações, uma coisa foi comum, sempre trabalhei por projetos. Montando equipes de acordo com o tempo, complexidade e orçamento que estavam disponíveis.

Hoje em dia a Usina Música conta com alguns professores e muitos deles adoram esse universo de composição.

Além de dar aulas, cada profissional desenvolve seus projetos particulares, em seus home studios.

Eu, por exemplo colaboro com áudios e trilhas para um grande amigo, Renato Machado, que é chargista e desenvolve charges animadas.

Esses trabalhos para as charges são rápidos e envolvem muito mais um alinhamento conceitual do que técnicas rebuscadas de composição. Como são informações pontuais que precisam ser entendidas, optamos sempre por pouca informação sonora.

Confira uma Charge Animada

Confira um trabalho de composição de trilha que realizamos para a Volvo Construction Equipaments

Isso aí! Quem curte criar música não consegue parar. E é muito frustrante não ter a sua obra atingindo outras pessoas. Espero que essas dicas e o relato do case tenham de alguma forma te dado uma luz, para que você também possa expor sua criação.

Veja nosso artigo com dicas para você começar a compor

Como Compor Uma Música

como compor musica

Como Compor Uma Música

O senso comum projeta a imagem de um compositor como alguém que nasceu com incríveis habilidades e por conta disso pode sair criando ótimas obras artísticas. Na vida real, não é assim que funciona!

Está mais do que comprovado que mesmo compositores brilhantes como Mozart, eram completamente dedicados. Gastavam milhares de horas estudando e criando entre processos árduos e frustrantes.

Como em qualquer outra atividade de criação, quanto mais dedicação e conhecimento maiores serão as habilidades do compositor.

Não à toa existem métodos, cursos, e até faculdades dedicados a instrução deste ofício.

Confira dicas simples para você conseguir focar e produzir:

1. Objetivo

Tenha claro o objetivo da música. Se você não está apenas compondo para você é importante saber qual propósito a obra deve atingir. Se for um pedido ou uma encomenda de outra pessoa, nada melhor do que conhecer as expectativas da pessoa. Peça referências e tente não fugir destas referências.

2. Instrumentação

Seja prático! Quais instrumentos podem ser utilizados na obra? Você vai tocar com amigos? Quais instrumentos esses amigos de fato sabem tocar? Na hora de começar a compor é uma ótima ideia ter em mente quais instrumentistas irão executar a música ao vivo ou em uma gravação, além de conhecer as habilidades de cada instrumentista.

Imagine que você quer criar um solo e grava este solo no teclado, mas na realidade quem vai executá-lo é um guitarrista. Será bom saber se esse guitarrista tem a competência necessária, certo?!

3. Estrutura

Quanto tempo a música poderá durar? Qual será a velocidade (andamento)? Será alegre (tonalidade Maior) Triste ou melancólica (Tonalidade Menor)?

Crie um mapa coerente para te ajudar, indicando se terá verso, refrão, pontes e em quais momentos.

4. Escolha da Harmonia

Existem divergências quanto ao iniciar uma composição pela harmonia (acordes) ou melodia (frases melódicas). No entanto observando alunos em fase de criação sugiro que o início seja pela harmonia. Escolha os acordes que julgar adequados para cada parte da composição. Em seguida tente gravar (no celular mesmo). A partir daí você poderá começar a arriscar melodias.

5. Grave tudo

Ouça e readéque o que considerar necessário. Mostre para amigos, peça opiniões e vá realizando alterações. Temos o costume de querer uma obra acabada rapidamente, mas até renomados compositores fazem e refazem seus trabalhos, então trate de caprichar e trabalhar na sua obra até que realmente entenda que não há mais nada para ser melhorado!