Otimizando Seus Estudos na Guitarra

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

O Guitarrista

Querido amigo guitarrista, com certeza você também já ouviu: “Esse aí só faz barulho, não sabe ler partitura, chega atrasado, nunca tira as músicas, etc… “

Porque nós, tão inteligentes, habilidosos, lindos e “performers” com nossas guitas, temos essa fama? Vamos mudar isso agora? 

Mas calma!

Eu não vou (e nem pretendo), passar um roteiro de estudos detalhado e te frustrar dizendo que você precisa passar 4 horas por dia com seu instrumento nas mãos. Primeiro porque a vida corrida e multitask que levamos atualmente muitas vezes não nos permite dispender todo esse tempo para atividades extras. E segundo porque… bom, porque você é guitarrista hehe!

Estudando até os ossos doerem

Existe uma concepção difundida na música , de que o estudo de um instrumento requer horas e horas de concentração e dedicação, até as articulações doerem e os dedos sangrarem a la whiplash. Essa ideia “romântica” do aluno devoto, que não se relaciona com o mundo, praticamente vive num casulo e estuda 10 horas diárias está erroneamente associada ao sucesso, e já vou explicar o porque, te contando um pouco da minha própria experiência de 17 anos com a guitarra!

Ah, antes de prosseguir, não preciso dizer o óbvio, é CLARO que quanto mais tempo você passa com seu instrumento em mãos, mais rápido e eficiente será seu progresso. Mas você não precisa estudar até seus dedos descamarem!

Era uma vez um adolescente no seu quarto

Quando comecei a fazer aulas de guitarra com apenas 12 anos, meu professor, um excelente músico com quase 30 anos de bagagem e experiência não exitou em me “alfabetizar” na música, me ensinando conceitos que faziam pouco ou quase nenhum sentido pra mim naquela época, muitas vezes me fazendo tocar canções de jazz que eu pouco conhecia e, sinceramente, pouco me interessava!

O que acontecia então? Quando eu chegava em casa, corria pro meu quarto e o tempo que eu tinha livre, passava tirando as músicas que eu realmente queria tocar, Iron Maiden, Blink 182, Bad Religion, Metallica, e muitas outras bandas de Punk Rock e Metal que me faziam vibrar, me revoltar contra nada e querer andar de skate, ou seja, ser só mais um adolescente.

Focando sua atenção! 

Nessa época comecei a perceber uma característica minha que por anos enxerguei como se fosse um problema: Eu simplesmente não conseguia manter minha atenção focada por mais de 15 ou 20 minutos. Muitas vezes me forçava a tirar músicas, ou divagava por horas tocando outras coisas na guitarra que não faziam parte do conteúdo ensinado em aula.

Comecei então depois de vários anos a aceitar e compreender meu modus operandi de aprendizado e progresso pessoal, percebendo que sim, era totalmente possível evoluir em meu instrumento respeitando o tempo e o foco da minha atenção!

Observei que se eu otimizasse meu estudo em apenas 30 minutos, eu poderia obter um resultado plenamente satisfatório. Passei então a focar minha atenção por pequenos períodos de 5 minutos, estudava as escalas e arpejos que eu precisava, depois mais 5 minutos estudando sobre campo harmônico ou intervalos, então mais 5 minutos lendo pelo menos uma linha da partitura que meu professor tinha passado.

Estudar assistindo Youtube???

Ao longo dos anos, descobri que a melhor forma pra mim de fato não era passar 3 horas me desgastando e esgotando mentalmente para melhorar na guitarra. Incorporei isso de tal forma que hoje estudo exercícios de repetição (técnica) até enquanto assisto vídeos na internet, converso com alguém ou me distraio de outras formas. Meu ponto aqui é que qualquer tempo com seu instrumento na mão é bem gasto, mesmo que você esteja apenas repetindo coisas já fixadas, brincando, passeando pelo braço do instrumento, enquanto divide sua atenção com outras “informações”. 

É claro, existem estudos que devem ser totalmente focados, casos em que sua atenção não pode estar dividida com absolutamente mais nada, por exemplo, os estudos de repertório, ou a fixação e compreensão de escalas e arpejos exigem atenção full, porém lembre-se, você não precisa passar horas e horas seguidas por dia para fixar tais conteúdos.

Multitask

Cresci numa realidade multitarefa, desde pequeno dividi minha atenção com TV, Internet, celular, brinquedos, etc. Essa é uma realidade que veio pra ficar, novos tempos, grande fluxo de informações, mas se acalme, isso não é de todo ruim. Descobri que é legal ser multitask e incorporei isso de forma saudável em minha rotina de estudo de música.

Hoje, estudo 10 minutos focado, paro, assisto uma entrevista com algum músico que gosto, pauso o vídeo e volto pro estudo, perco mais 5 minutos, volto pro vídeo de onde parei, assisto 5 minutos, paro pra tomar uma água, responder whatsapp. Entendi que não existe problema nenhum nisso e é absolutamente possível evoluir com eficiência em seu instrumento estudando por curtos períodos!

Lembre-se, frequência é mais importante que intensidade, e que qualquer tempo é melhor que NENHUM!!


Autor: Vitor Pavan @vitorfpavan


More to explorer

escola do brasil na gringa

Show de Alunos em Madrid

Felizes demais!! Foi um desafio abrir nossa unidade em Madrid, com nosso ex-aluno e agora sócio, Francisco Javier. O trabalho é enorme,

sim sp

SIM São Paulo – O Que Vai Ter?

Que bom! Mais um ano desse evento super dinâmico que está atraindo muitos olhares para o mercado da música no Brasil. A

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp
Enviar